Gaiolas de criatório de peixes no lago da Barragem de Piracuruca pode deixar população sem água para consumo humano



"Estivemos na manhã desta quarta feira(25.07/2018) em busca de mais informações sobre a qualidade da água fornecida pela a empresa AGESPISA a população de Piracuruca.

Visitamos a ETA - (Estação de Tratamento) e o escritório da empresa aqui no município, a princípio formos informados por funcionários da empresa que ninguém está autorizado falar sobre o problema, uma fonte nos informou que o problema pode ser bem maior que se imagina, o que ficamos sabendo é que os técnicos da AGESPISA estão apavorados com a qualidade da água que está chegando até o reservatório da estação de tratamento, o que pudemos apurar é que o nível da Unidade de Turbidez (UT) vem se agravando assustadoramente, segundo informações o nível de exigência do ministério da saúde é de 05 a 10 (UT)  unidade de turbidez, no entanto esse nível vem oscilando e aumentou para 29 o que já está totalmente fora do aceitável e que

nos últimos dias  chegou a 70. 

Isso deixou os técnicos muito preocupados com esta situação chegando a questionar se teria alguma indústria instalada nas margens do rio.

Para se ter uma noção da gravidade,  os rios mais poluídos do nosso estado são os rios, Parnaíba, Poty, Maratauã e Longá que atingem o nível entre 5 e 10 (UT).

Em conversa com nossa fonte  formos informado que químicos da empresa estiveram colhendo água da Barragem, Comporta, Poço da Vara onde fica o sistema de bombeamento e do reservatório, para ser analisada, nos informaram ainda que o odor das águas na barragem está muito forte e que a possível causa do problema pode ser as gaiolas de criatório de peixe existentes no lago da Barragem."


Texto e foto do site piracurucaagora.com, matéria escrita e editada por Ivan Sousa



Gaiolas de criatório de peixes no lago da Barragem de Piracuruca pode deixar população sem água para consumo humano Gaiolas de criatório de peixes no lago da Barragem de Piracuruca pode deixar população sem água para consumo humano Reviewed by Fernado Carvalho on 26 julho Rating: 5

Nenhum comentário